Profº Mauricio Leandro (Choquito)

ImageO objetivo da classificação das atividades recreativas além da padronização, é evidenciar a funcionabilidade dessas atividades dentro de uma programação ou de um programa de lazer e recreação.

Para escolhermos uma determinada atividade para fazer parte da nossa programação, é necessário que saibamos suas características e classificações. De acordo com os objetivos aos quais nos propomos alcançar, escolhemos uma determinada atividade recreativa.
Enaltecemos o valor e a importância da leitura e da pesquisa como fonte de aquisição de conhecimento. O que fazemos aqui é uma compilação de dados, extraídas de boas literaturas, mas não expressamos seu conteúdo na íntegra. Por isso insisto, BUSQUEM NOS LIVROS AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS E COMPLETAS!

Vejamos o que alguns como alguns autores classificam as atividades recreativas:

Segundo Ferreira, Vanja. Educação Física – Recreação, Jogos e Desportos; 2003

Classifica as atividades em:
Grandes jogos – grande números de participantes. Difícil se ser dominado.
Pequenos jogos – extrai dos participantes características individuais como: velocidade, destreza, força.
Revezamento ou Estafetas – constitui-se pelo revezamento dos participantes para a realização de tarefas. É uma atividade em grupo que preza pelas potencialidades individuais. Indicado para a infância. Jogos combinados (exigem mais de uma aptidão física), correr, saltar, giros.
Aquáticos – jogos realizados dentro da água, com excelente valor terapêutico por diminuir o impacto causado pelo solo.
Jogos sensoriais – utilizam os sentidos (tato, visão, audição, etc). esses jogos desenvolvem o pensamento, diminui a tensão.
Jogos Sociais de Mesa – jogos que são realizados na mesa, com caráter educativo, sem estimular os jogos de azar.

Segundo Caillois, R. Los juegos y los Hombres. México, 1994

Analisando as habilidades e interesses, classifica os jogos em:
Alea – Jogos de azar;
Agon – Competição;
Mimicry – Imitação;
Ilinix – Vertigem;
Se algum tiver uma organização mais complexa – Ludos
Mais informal – Paidia

Segundo Veríssimo de Melo. Folclore Infantil, 1981

Jogos de Seleção – utilizada para a separação de equipes e/ou participantes (par ou ímpar, palitinho);
Jogos Gráficos – realizado em cima de algum desenho ou traçado (amarelinha, xadrez);
Jogos de Competição – disputa física entre os participantes (pegas, cabo de guerra);
Jogos de Salão – motricidade fina em locais restritos e/ou fechados (baralho, quebra – cabeça);
Jogos com Música – com ritmo (catinga de roda, karaokê);

Segundo Mian, Robson. Monitor de Recreação: Formação Profissional, 2003

Classifica dos jogos em:
Pequenos – regras fáceis e em menor quantidade, menor nº de participantes e locais restritos;
Médios – com regras pré – estabelecidas, em locais maiores como quadras ou piscina;
Grandes – com regras pré – estabelecidas e complexas, em maior quantidade e em locais grandes e abertos, com maior nº de participantes.

Segundo Guerra, Marlene. Recreação e Lazer. 1988

Quanto a Forma de Participação: Recreação Ativa e Recreação Passiva.

Ativa:
Atividades Motoras – Exigência maior do físico. Ex. Jogos Infantis e Esportes em Geral;
Atividades Intelectuais – A mente é mais utilizada. Ex. Xadrez e Quebra-cabeça;
Atividades Artísticas ou Criadoras – Ex. pintura, desenho, carpintaria, escultura, teatro, música, etc.
Atividades de Risco – Ex. àquela na qual o praticante coloca à prova sua integridade. Ex. pára-quedismo, mergulho profundo, vôo livre etc.

Passiva:
Atividades Sensoriais – Tem uma participação interativa com a atividade. Ex. Torcida no estádio – grita, balança os braços, salta participando emotiva e fisicamente.
Atividades Transcendentais – Confunde-se com o Ócio pela participação de espectador. Ex. Ver pinturas no museu, contemplar o pôr-do-sol, relaxamento tranqüilizante.

Quanto à Faixa Etária as Recreações podem ser:

Adulta – para maiores de 18 anos;
Infanto-juvenil – para crianças de 8 a 12 anos;
Juvenil – para Jovens acima de 12 anos;
Infantil – para crianças até os 7 anos;
Mista – para várias faixas etárias – como pais e filhos juntos;
Terceira Idade ou Idade Especial – para idosos.

Quanto ao espaço as Recreações podem ser Internas e Externas:

Internas:
Salas de Festas; Ginásios Esportivos; Salas de Ginásticas, Salas de Musculação; Salas de Danças Modernas ou Clássicas; Salas de Música; Salas de Leitura; Salas de Projeção; Piscinas Térmicas, Saunas, Duchas; Salões de Jogos – sinuca, bilhar, tênis de mesa, totó, bilhar, boliche etc; Salões de Jogos de Mesa – buraco, biriba, paciência, xadrez, dama etc; Estandes Fechados – tiro ao alvo e arco e flecha; Sala de Jogos Eletrônicos.
Externas:
Campos – Futebol, beisebol, golfe etc; Quadras poliesportivas – esportes individuais e coletivos; Playgrouds infantis; Piscinas; Pátios para comemoração de datas espaciais; Pistas de Atletismo; Hortos com pistas diversas, quadras, lagos, ciclovias etc.

Quanto ao ambiente:
Atividades Terrestres;
Atividades Marinhas, Náuticas ou Aquáticas;
Atividades Aéreas.

CLASSIFICAÇÃO DOS JOGOS

Jogos por Séries – de acordo à Faixa Etária;

Quanto ao Local:

Jogos de Campo – com bolas, jogos de correr, jogos de agilidade;
Jogos de Salão – Sensoriais, motores, psíquicos (intelectuais e afetivos) para dias de chuva;

Jogos quanto à dificuldade de execução:

Pequenos – duração pequena e de regras fáceis e flexíveis – combinadas;
Grandes – duração de 10 a 20 minutos com as primeiras regras preestabelecidas – preparam para os desportos e destina-se para alunos de 4ª série em diante.

Quanto à participação nas Atividades Físicas:

Ativa;
Moderada;
Calma;

 

Textos como estes são frutos de um trabalho de pesquisa

 

Referências Bibliográficas:
FERREIRA, Vanja. Educação Física – Recreação, Jogos e Desportos; Rio de Janeiro, Editora Sprint, 2003.
CAILLOIS, R. Los juegos y los Hombre: la máscara y el vertigos. México, Editora Fondo de cultura económica, 1994.
MELO, V. de. Folclore Infantil. Rio de Janeiro, Editora Cátedra, 1981.
MIAN, Robson. Monitor de Recreação: Formação Profissional. São Paulo, Editora Textonovo, 2003.
GUERRA, Marlene. Recreação e Lazer. Porto Alegre, Editora Sagra, 1988.

Texto:
Prof. Maurício Leandro – “Choquito” – CREF nº 03560 – G/BA

  • Prof. de Fund. Recreação e Lazer II – FACSUL – Itabuna / Bahia
  • Assessor de Eventos da Educação Física FACSUL – Itabuna / Bahia
  • Prof. de Estágios em Recreação e Lazer das Faculdades Integradas Montenegro – Ibicaraí / Bahia
  • Coordenador de Recreação da Cooperativa do Fitness – CDOF
  • Fonte:http://educacaofisica.org/joomla/index.php?option=com_content&task=view&id=256&Itemid=2